Escolas Tradicionais da Zona Norte Fecham Suas Portas

A Zona Norte tem visto seus mais tradicionais colégios fechando as portas ou atravessando sérias complicações. O empobrecimento da região, aliado à alta concorrência de grandes grupos educacionais, fez com que instituições tradicionais , algumas até centenárias deixassem de existir. É o caso, por exemplo, do Instituto Arte e Instrução, em Cascadura; do Colégio Nossa Senhora da Piedade, na Piedade; e dos colégios da Gama Filho, na Piedade, e da UniverCidade, em Vaz Lobo.

— É muito triste ver o colégio em que eu estudei nesse estado — conta Juliana Ferreira, de 25 anos, aluna de Biomedicina da Unirio, que estudou todo o ensino básico (dos 3 aos 18) no Arte e Instrução.
Hoje, o antigo e tombado prédio encontra-se com a fachada pichada, e o pátio está coberto por mato alto. Como funcionário, só há um vigia. Vizinhos contam que, eventualmente, uma telha cai. A unidade foi inaugurada na primeira metade do século 20 e fechou em 2013.

O Colégio Republicano, em Vaz Lobo, completou 91 anos neste mês. No entanto, é cada vez menor o número de matriculas da unidade. Alguns funcionários acreditam que o fechamento da escola é uma questão de tempo. A definição que usam é a de que estão vendo o colégio “definhar” e não podem fazer nada.

— É muito triste vê-lo assim. Faz parte da minha história — lamenta o cantor Junior Werneck, de 33 anos, que estudou no local: — Lembro das feiras de ciências, era muito cultural. Em 2002 ou 2003, os últimos anos em que estudei lá, ganhamos o 1° prêmio com uma peça teatral. Agora tudo mudou. Acredito que tem relação direta com o desemprego e com a economia em declínio.

Ao lado do prédio principal, havia uma área que era anexada conhecida como Castelinho. Foi a casa de uma das donas e era onde turmas do primeiro ciclo do ensino fundamental estudavam. O imóvel precisou ser vendido, e os turnos, que já chegaram a ter três turmas por série, estão minguando cada vez mais.

Colégio com mais de 100 anos vira ruína

Saqueado, depredado, sem janelas, com tetos destruídos e carteiras jogadas na parte externa. O grande terreno onde funcionou, desde 1914, o Colégio Nossa Senhora da Piedade, no Encantado, está abandonado desde o fechamento da unidade em 2016. Naquele ano, a então diretora-presidente da instituição, irmã Maria de Fátima Marques de Oliviera, afirmou que “o principal fator foi o entorno”, que, segundo ela, tem uma “dificuldade de crescimento profunda”. O fechamento do colégio só piorou.

— Os alunos traziam muito movimento — diz Eliane Souza, dona de um comércio que fica bem em frente ao local.

Os prédios abandonados geram um desafio a mais para a segurança da região. O local onde funcionava a UniverCidade, em Vaz Lobo, que também tinha um colégio de ensino básico, foi invadido. Os assaltos são constantes. Essa unidade é do mesmo grupo da Gama Filho, que também tinha uma escola de ensino médio em Piedade. As duas universidades fecharam as portas quando o Grupo Galileu, que era dona das marcas, decretou falência, em 2016, após o MEC constatar baixa qualidade, problema financeiro e oferta precária.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *