Grupo de Milicianos São Presos Por Obras Irregulares Na Zona Oeste

 
Policiais Militares do Comando de Polícia Ambiental da PMERJ , dando continuidade às Operações Sistemáticas de repressão às atividades econômicas criminosas praticadas em áreas sob a influência de grupos paramilitares identificados como Milícias , desencadearam nova Ação nos bairros de Itanhangá, Anil e Rio das Pedras, na Zona Oeste da Cidade do Rio de Janeiro.

Os Policiais Militares do CPAM flagraram na quarta – feira (12) em Rio das Pedras um Pier construído por Milicianos na forma de uma passarela sobre as águas, suportada por largas estacas e pilares com estrutura leve que permitiria que marés e correntes fluam quase desimpedidas com o objetivo de explorar ilegalmente o transporte aquaviário; em Itanhangá (Muzema, Morro do Banco, Tijuquinha, Ilha Gigóia, Vila da Paz) e Anil construções vertiginosas e em plena atividade de de prédios, nos quais havia anúncios oferecendo apartamentos de diversos valores e condições de pagamento, inclusive com projeção de taxas de condomínio.
As construções clandestinas verticalizadas não possuíam infraestrutura básica, como ligação regular de esgoto, que seriam lançados em rios e na Lagoa da Barra, com potencial altamente poluidor dessas águas.
Também foram flagrados construções ilegais em na área de amortecimento do Parque Nacional da Floresta da Tijuca.
A Operação, que teve como alvos principais, entre outros, os condomínios Talismã e Figueiras do Itanhangá, toda extensão da Avenida Engenheiro Souza Filho, a Estrada do Pica-Pau, a Estrada de Jacarepaguá, a Rua Araticum, a Estrada da Barra da Tijuca, a Ilha da Gigóia e o Pier Clandestino de Rio das Pedras.
A Operação contou com a participação de 39 Policiais Militares do Comando de Polícia Ambiental e com o emprego de 40 Viaturas 02 embarcações e 03 jets skis.
Na ação foram apreendidos Caminhões, máquinas e equipamentos utilizados na construção civil ilegal.
A Operação resultou na prisão em flagrante de 50 (CINQUENTA) elementos, incluindo os proprietários das máquinas e os indivíduos apontados por serem os responsáveis pelas construções clandestinas.
Todos os presos foram conduzidos para a 16° DP, na Barra, e para a 32° DP, na Taquara, para formalização das providências legais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *